terça-feira, 5 de outubro de 2010

Palavras presas ... sentimentos contidos

Poema Preso

"A maioria das doenças que as pessoas têm são poemas presos.
Abscessos, tumores, nódulos, pedras…
São palavras calcificadas, poemas sem vazão.
Mesmo cravos pretos, espinhas, cabelo encravado, prisão de ventre…
Poderiam um dia ter sido poema, mas não…
Pessoas adoecem da razão, de gostar de palavra presa.
Palavra boa é palavra líquida, escorrendo em estado de lágrima.
Lágrima é dor derretida, dor endurecida é tumor.
Lágrima é raiva derretida, raiva endurecida é tumor.
Lágrima é alegria derretida, alegria endurecida é tumor.
Lágrima é pessoa derretida, pessoa endurecida é tumor.
Tempo endurecido é tumor, tempo derretido é poema.
E você pode arrancar os poemas endurecidos do seu corpo
Com buchas vegetais, óleos medicinais, com a ponta dos dedos, com as unhas.
Você pode arrancar poema com alicate de cutícula, com pente, com uma agulha.
Você pode arrancar poema com pomada de basilicão, com massagem, hidratação.
Mas não use bisturi quase nunca,
Em caso de poemas difíceis use a dança.
A dança é uma forma de amolecer os poemas endurecidos do corpo.
Uma forma de soltá-los das dobras, dos dedos dos pés, das unhas.
São os poemas-corte, os poemas-peito, os poemas-olhos,
Os poemas-sexo, os poemas-cílio…
Atualmente, ando gostando dos pensamentos-chão.
Pensamento-chão é grama e nasce do pé,
É poema de pé no chão,
É poema de gente normal, de gente simples,
Gente de Espírito Santo.
Eu venho de Espírito Santo.
Eu sou do Espírito Santo, eu trago a Vitória do Espírito Santo.
Santo é um espírito capaz de operar o milagre sobre si mesmo."



                                                      Viviane Mosé

Viviane Mosé em Pensamento Chão.
É psicóloga, psicanalista, poetisa, mestre e doutora em Filosofia. Viviane já publicou cinco livros, é professora de Filosofia e Psicanálise da Universidade Salgado de Oliveira e da Escola de Psicanálise Formação Freudiana.
Viviane Mosé ficou nacionalmente conhecida quando começou a apresentar, em 2005, o quadro sobre filosofia “Ser ou Não Ser?”, no programa Fantástico, da Rede Globo. O quadro tornou-se um marco na história da TV brasileira, por ser o primeiro a discutir filosofia em rede aberta e no horário nobre.
Também é consultora da Secretaria de Educação do Estado do Espírito Santo, onde atua na reformulação curricular, é palestrante, consultora de empresas e diretora de conteúdo da empresa Usina Pensamento.

5 comentários:

  1. Olá!
    Vim retribuir a visita e me encantei absurdamente com esse poema!
    Te seguindo.

    Façamos poemas! Seja com lágrimas, risos ou palavras.

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde,
    Gostei deste poema e acredito neste assintomatismo. Boa escolha!
    E gostei tbm do teu blog. Sigo- te.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que poema/texto lindo!
    Sigo-a, tbém, para saber voltar!
    Uma boa semana!

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Desde que ouvi a própria Viviane Mosé declando este seu poema em um programa do Café Filosófico da Tv Cultura, encantei-me com ele e o quão verdadeiro ele é. Aliás, aprecio muito o trabalho desta autora e suas participações nestes eventos sempre são muito enriquecedores...
    Beijos
    Elenir

    ResponderExcluir
  5. Elenir,quanta profundidade e verdade nos versos deste poema maravilhoso da Viviane Mosé.Levou-me a refletir o quanto a minha prisão invisível me sufoca,e por estar em uma redoma de vidro ,só agora percebi a dureza de sentimentos em minha alma.Porém a reflexão me força a tornar líquidas todas as durezas do meu coração,as quais passarão a correr livremente em todo meu ser.
    Com a dor derretida penso que serei mais leve e flexível.
    Obrigada ,pois seu blog auxilia a nos analisar.Um beijo!

    ResponderExcluir