terça-feira, 6 de março de 2012

Ser

Aflição de ser eu e não ser outra
Aflição de ser eu e não ser outra.
Aflição de não ser, amor, aquela
Que muitas filhas te deu, casou donzela
E à noite se prepara e se adivinha
Objeto de amor, atenta e bela.
Aflição de não ser a grande ilha
Que te retém e não te desespera.
(A noite como fera se avizinha)
Aflição de ser água em meio à terra
E ter a face conturbada e móvel.
E a um só tempo múltipla e imóvel
Não saber se se ausenta ou se te espera.
Aflição de te amar, se te comove.
E sendo água, amor, querer ser terra.
Hilda Hilst
Imagem: Vladimir Kush

Poema e imagem selecionados pelo dia 8 de março

Um comentário:

  1. Eistem momentos assim, sempre existirão.Lindo e sentido poema.Beijos

    ResponderExcluir